Good News Medical Volunteer

Voluntariado médico

Missão

A missão do Voluntariado Médico Good News (Good News Medical Volunteer – GNMV) como uma iniciativa de voluntariado humanitária é providenciar tratamento médico, alívio e educação em saúde para pessoas carentes em todo o mundo, que sofrem de doenças não tratadas e/ou efeitos de desastres naturais devastadores. O GNMV atualmente concentra seus esforços para selecionar países na África e nas Ilhas do Caribe.

Objetivos

 

1. Fornecer suprimentos médicos e educar os povos de países em desenvolvimento que sofrem com ambientes médicos medíocres.

2. Avançar o cenário do voluntariado global, incentivando os profissionais de saúde a participar de tarefas de ajuda humanitária.

3. Promover a educação sanitária e elevar os profissionais médicos locais nos países em desenvolvimento

 

Nossa curta mas ativa história

 

 

O GNMV começou no verão de 2008 com 7 médicos voluntários, todos despachados para a África por um período de 2 semanas. O GNMV cresceu em tamanho e abrangência de serviços durante a campanha de 2009, recurtando e dispachando 105 voluntários para 5 diferentes países: Gana, Togo, Quênia, Tanzânia e Ruanda. Aproximadamente 1500 pacientes foram tradados por dia, com um total de 10.000 tratamentos por semana.

Em 2010, 256 médicos voluntários visitaram Gana, Togo, Benin, Quênia e Malawi. Durante a campanha de 30 dias, 22.000 pacientes receberam tratamento médico.

A missão se expandiu para o Haiti e Repúbica Dominicana em 2011. Assistência médica salva-vidas foi dada a muitos haitianos que foram vítimas do terrível terremoto em 2010. O número total de pacientes servidos pelo GNMV em 2011 passou de 30.000. Um total de 60.000 pacientes foram tratados desde 2008. Essas estatísticas simplificam o nível de serviço, paixão e abnegação do GNMV.

O GNMV se esforça para tratar os doente que não têm acesso a um cuidado médico próprio. O GNMV também busca estabelecer hospitais locais e escolas médicas. O objetivo é desenvolver as comunidades carentes para que eles não somente se sustentem, mas também forneçam contribuição substancial para o resto do mundo.


Eles me fizeram feliz

Eu me lembro de ir para as favelas da periferia do Nairobi. Era um espelho das vilas rurais da Coreia do Sul de 1960.  Meu primeiro paciente lá foi um garoto de 6 anos que tinha uma laceração severa e precisava de pontos, mas eu estava hesitante já que não tinha nenhuma forma de anestesia. Fazer pontos sem anestesia! Nem mesmo adultos suportam a dor! Minha única esperança era que de alguma forma o garoto pudesse suportar. Depois do primeiro ponto, ele estava tão assustado que todo seu corpo se debateu e ele não parava de chorar. Alguns adultos tiveram de segurá-lo para que eu pudesse terminar.

Cuidar de pacientes em minha terra natal, a Coreia do Sul, é sempre estressante. Machuca quando os pacientes expressam que não confiam em mim quando estou dando o meu melhor para cuidar deles. Entretanto, os quenianos e tanzanianos confiavam em nós e pareciam felizes. Eu pude esquecer totalmente sobre a fadiga quando tratava deles. Depois de ver como eles confiavam seus corpos, percebi que eu estava sendo recompensado mais do que eu jamais pude imaginar.

– Hong Park Jin, M.D.
 Diretor de Pedriatria de Geoje, Vice Presidente do 
Serviço de Voluntariado Médico no Quênia e na Tanzânia

Gratidão que eu nunca soube que existia

Enfermeiras profissionais são uma necessidade do programa de Voluntariado Médico Good News. Nós preparamos os pacientes, registramos eles e checamos o básico, como pressão arterial, pulsação, temperatura e histórico médico. A coisa mais importante é conduzí-los ao departamento médico correto. Nós os ensinamos como aplicar injeções, tomar medicamentos, se exercitar corretamente e o básico sobre saneamento. Não quer dizer que o trabalho não tem surpresas.

Uma vez, depois de ensinar o uso próprio do medicamento, havia um paciente que me reconheceu da clinica e me agradeceu, dizendo “Eu me senti melhor depois de tomar o remédio que você me deu”. Não tinha nada especial no que eu fiz, mas quando eu vi quão feliz os pacientes estavam, eu podia sentir a mesma alegria no coração.

Os hospitais africanos cobram muito dinheiro por injeções porque eles tem que fazer muitas tentativas para das a injeção no local certo. Nossos pacientes estavam muito gratos porque nós pudemos dar a injeção corretamente na primeira tentativa.

Desafie-se com o Voluntariado Médico Good News. Você ganhará uma nova alegria e descobrirá quão especial é sua ocupação e quão grato você deveria ser por isso.

– Young Park Jin, Paramédica
 no Serviço de Voluntariado Médico em Gana e Togo

 

Um tempo indescritivelmente precioso

Havia uma jovem de 18 anos cujos seios estavam apodrecendo. Não seria um problema se a infecção tivesse sido tratada cedo com antibióticos, mas como isso foi deixado por muito tempo, seus seios começaram a apodrecer. Meu coração se despedaçava enquanto eu raspava as partes podres. Mesmo uma única refeição pode salvar a vida de uma pessoa. Os 5 dias e 4 noites que eu fiquei lá como voluntário podem não parecer muito, mas o sentimento que eu tive quando pensei em cada pessoa que foi tratada foi indescritível. Quando você está em muita dificuldade, ter alguém lá com você já é razão suficiente para continuar vivendo.

– Chang-Won Moon, Técnico de Medicina Familiar 
do Serviço Voluntário Médico na Costa do Marfim